Crítica | Em Ritmo de Fuga (2017)

Se o contratempo de Edgar Wright com a Marvel jogou um banho de água fria no diretor, (após 8 anos de trabalho em Homem-Formiga, seu projeto foi rejeitado) não há nenhum sinal disso em Em Ritmo de Fuga (Baby Driver). É uma homenagem frenética aos thrillers de crime dos anos 70 e 80. Em essência, é como se The Driver (1978) se misturasse com o tom efervescente da adaptação de Scott Pilgrim Contra o Mundo (2010) de Wright. Ou, por outras palavras, é um tipo de ação musical à lá La La Land com um motor V8 e espingardas.

Ansel Elgort estrela como Baby, um especialista em fuga de assaltos que serve como motorista para Doc (Kevin Spacey), o chefão responsável por juntar criminosos em operações milionárias. Enquanto ajuda a uma variedade heterogênea de ladrões de bancos perturbados a ficar um passo a frente da lei, Baby passa todo o seu tempo ouvindo uma mistura eclética de rock, rap e soul no seu iPod: um tic que lhe permite manter uma calma e um ritmo atrás da roda, ao mesmo tempo que bloqueia um zumbido no ouvido que o atormenta desde a infância após um acidente de carro.

A trama é bem comum em trhillers de fuga. Baby entra no pensamento eterno de “somente mais uma corrida” e em seguida pensa em encontrar um trabalho regular numa vida tranquila com sua nova namorada, a garçonete Debora (Lily James). Até que Baby é forçado a realizar mais um crime com o temperamental Buddy (Jon Hamm) e o psicótico Bats (Jamie Foxx), uma dupla que faz com que o plano inteiro do assalto esteja constantemente sob a lâmina de uma faca. É o tipo de premissa que pode formar um thriller de ação direto para home video, mas Wright (que escreve e dirige) traz estilo, coração e direção mais do que suficientes para fazer ‘Em Ritmo de Fuga’ algo mais individual.

Primeiro, há o tempo gasto em fazer com que Baby seja um personagem que valha a pena se explorar: vulnerável, mas atlético, bonito e, ao mesmo tempo, geek: quando ele não está dirigindo um carro, ele também tem uma estranha inclinação para a gravação de conversas aleatórias em fitas e, em seguida, transforma-as em peças experimentais de música eletrônica.

Depois, há as cenas de ação, que não são tanto John Woo, Jerry Bruckheimer como Busby Berkeley; A música que toca constantemente no iPod de Baby fornece o ritmo para toda a filmagem, com tiros, gritos de pneus e falhas com precisão – e cativantes – editadas ao ritmo da trilha sonora de jukebox de Wright. Sua velocidade pode variar quando se trata das escolhas da música, mas a clareza e a confiança da direção nas cenas de ação são incontestáveis.

Este é seu filme mais cheio de ação até agora, e ele se absolve. Baby Driver confia menos na aceleração e no CGI de Scott Pilgrim, ou mesmo nos filmes Velozes Furiosos. A ação frenética parece física e real, com motoristas de dublê ensaiando toda a ação ao invés de usar pessoas sentadas em salas de trabalho realizando a ação num computador.

Tão alegre e animado, o filme também é extremamente violento e cruel às vezes – pouco para surpreender aos fãs de Shaun Of The Dead, mas potencialmente um choque para o público que, tendo visto somente os trailers, pode estar esperando um simples filme de corrida qualquer, quando o produto é muito mais promissor.

 

Em Ritmo de Fuga é um filme com uma proposta pipocão que se destaca exponencialmente no seu gênero por possuir uma direção e edição frenética exemplar que irá agradar a muitos fãs de filmes de ação e velocidade. Não vemos a hora de poder ver os próximos trabalhos do diretor Edgar Wright. Este realmente parece estar num caminho bastante promissor.

Nota: 9

O filme estreia nos cinemas brasileiros no dia 27 de julho!

Leia Também

Comentários

Comentários

Login

Welcome! Login in to your account

Remember meLost your password?

Don't have account. Register

Lost Password

Register