Crítica | Pendular (2017)

“Não é porque você sabe imitar que você consegue entender.”

Quantos silêncios um relacionamento aguenta? Até que ponto a arte preenche os vazios?

Um grande galpão antigo. Estruturas de ferro, madeira e materiais diversos espalhados. Ela (Raquel Karro), uma bailarina. Ele (Rodrigo Bolzan), um artista plástico. Uma fita vermelha demarcando (ou separando) o espaço de cada um.
Esse é o início de “Pendular“, filme de Júlia Murat que ganhou o Prêmio dos Críticos no Festival de Berlim 2017.

Raquel Karro em cena de “Pendular”.

O filme trata de dois artistas tentando criar um novo espetáculo e uma nova exposição para suas carreiras. Nesse cenário não há espaço para faz de conta. A visão artística inserida aqui é real, dura, palpável. Sem o glamour idealizado da TV ou até mesmo do cinema. Aqui eles são pessoas reais e sem nome. Os ensaios da dança dela são marcados, repetidos, calculados. A montagem das esculturas dele são pensadas, planejadas, desenhadas. São os erros diários tentando acertar. Assim também é a relação dos dois.

Apesar dos inúmeros silêncios entre o casal, cada olhar diz mais do que se consegue ler. E esse é um dos maiores acertos da direção de Murat. A maneira como a câmera passeia intimamente pelo casal seja na selvageria do sexo, seja nos olhares julgatórios um do outro, revela mais do que precisaria ser dito em palavras. A direção não subestima seu espectador dando tudo mastigado, nada é efetivamente discutido. Os sentimentos de cada um são sentidos por cada um, não há discussão. O joelho ralado ao chegar em casa é resolvido com um curativo e o cuidado de quem realmente se importa, mas em silêncio. Não é porque há uma pergunta que é preciso que haja uma resposta. E há bastante disso no filme a ser absorvido.

Rodrigo Bolzan em cena de “Pendular”.

A fotografia em tons pastéis embeleza a melancolia do cotidiano dos dois. As cenas escuras e cheias de sombras também são bem utilizadas fazendo que com que vejamos apenas o necessário e o que eles querem que vejamos. Como quem espia pela fechadura a intimidade de alguém. O filme é divido em quatro atos, cada um mostrando a evolução da distância entre o casal perdido em suas artes, tentando acertar a coreografia perfeita entre o profissional e o pessoal. Os ressentimentos do que não foi dito vão ficando mais aparentes a cada capítulo e o silêncio se torna quase um personagem palpável da trama.

É bem verdade que o filme, mais próximo ao final, cai numa zona um pouco incômoda quando um acontecimento torna toda a subjetividade da trama um pouco previsível demais. Mas o filme é tão bem escrito, nos acerta de maneira tão reta, que mesmo o óbvio não é capaz de prejudicar o resultado final. As escolhas da direção, seja em seu papel principal, seja co-escrevendo o roteiro não são óbvias e isso traz um frescor ao tema que procura retratar um relacionamento de maneira mais real e com o pano de fundo da arte desmistificada que, apesar da brutalidade, é impossível não surgir um sorriso ao rosto pelo resultado final.

Nota: 8.5

Rodrigo Bolzan e Raquel Karro em cena de “Pendular”.

Pendular chega aos cinemas dia 21 de setembro.

Leia Também

Comentários

Comentários

Login

Welcome! Login in to your account

Remember meLost your password?

Don't have account. Register

Lost Password

Register